Passando na agulha

Passei hoje pela minha primeira sessão de acupuntura. Devido uma dor insuportável na região lombar que resolveu aparecer há uma semana e nem com anti-inflamatório e tampouco com reza brava, desapareceu, resolvi seguir conselhos e entrei na agulha.

Confesso que sou cético para algumas coisas como, por exemplo, a cura pela pinga ou ainda aquelas receitas milagrosas para emagrecer (por falar, a dieta já rendeu a redução de 5 quilos em um mês). Também sou cético com outras coisas mas que não vem ao caso neste momento.

Com a acupuntura confesso que tinha uma certa desconfiança pois não imaginava como pequenos pedaços de metal enfiados no meio de minha epiderme poderiam resolver alguns problemas mas tenho que confessar publicamente; o treco funciona.

Obviamente que tirei aquela soneca na maca enquanto parecia um porco-espinho mas isso não tira o louvor do tratamento. Na manhã de hoje, só consegui colocar as meias depois de um banho de Tiger Balm na região lombar e na saída do tratamento, quase nada sentia. E melhor, doze horas depois, a dor quase sumiu. Um milagre? Só se for Made in China.

Valeu a pena cada espetada (que espetada?) e mais ainda os reais economizados com drogas que acabam com você tanto no bolso quanto na saúde. Mas vou deixar a medicina química de lado? Claro que não. Se precisar rosquear meu braço novamente, ainda acho que um ortopedista é a melhor solução.

1 Comentário

Adicione o seu

  1. Assim como você, eu também tive um problema na região lombar.

    Mas, ao contrário de você, fui tentar a sorte na medicina tradicional (“tentar a sorte” é mais do que apropriado no que se refere à medicina tradicional dos dias de hoje).

    Conclusão após 2 mêses de peregrinação entre consultas, exames e remédios:

    Dois mil reais mais pobre;
    Ainda com um pouco de dor (que na realidade está diminuindo com o passar do tempo).

    Até pensei em acupuntura mas, agora, preciso colocar as contas em ordem… depois, quem sabe ;-)

    Um abraço,
    Leandro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =