Não voto mais

Desde o último pleito nacional ando pensando sobre o assunto e decidi: não voto mais. Desculpem-me os que ainda acreditam e os que nutrem a esperança de ver algo diferente. Eu não mais acredito que será a classe política que irá mudar nosso país, mas sim nosso povo e que não será pelo voto. Por quê da decisão? Explico.

Venho de família de comunistas de carteirinha. Comuna mesmo. Tenho até uma foto de meu pai com Luis Carlos Prestes pendurada no quadro da sala. Desde pequeno sempre acreditei naquela ladainha do “povo unido, jamais será vencido”, torci e trabalhei com todas as forças para ver lá no topo a esquerda. Mas… quanta frustração. Chegou este dia e nada mudou. Aqueles que surravam a escória da sociedade representada por Sarney, Calheiros, Collor de Mello, Maluf e os demais (que já deve conhecer), agora andavam de mão dadas, afagos e tapinhas nas costas, só faltando fazer boquete. Então, o que restou? Uma frustração enorme, uma tristeza sem fim em ver toda a energia e esperança depositada em alguns para… nada.

Parece que o Brasil é especialista em criar frustrações. Veja a Fórmula 1. Depois da morte de Ayrton Senna, que graça teve? Assistir uma corrida onde sempre era o mesmo que vencia (o alemão voador) e ver um funcionário da F1 desfilando sua pulseria Power Balance para todos dizendo sempre que “no ano que vem será melhor”. O mesmo com nossa tão famosa seleção de futebol. Temida por muitos, virou um saco de pancada com os mesmos Cafu’s, Roberto Carlos e Dunga’s da vida. E quando se renova é mais do mesmo.

Obviamente que esta decisão acarreta alguns problemas e especialmente para mim, um grande. Sem a votação obrigatória ainda existente neste país (criada para poder sustentar esta mesma corja que está no planalto central há décadas), não posso tirar meu passaporte, documento imprescindível para uma pessoa como eu que faço das companhias aéreas, sofá de casa. Mas eis que confirmei minhas suspeitas: mesmo não votando e não justificando nas duas últimas eleições (isso mesmo, eu NÃO votei no Tiririca), resolvi o problema com míseros três reais e cinquenta e um centavos; valor da multa eleitoral paga por minha intransigência cívica. Colocando na ponta do lápis, não vale a pena sair de casa para votar pois a perda de tempo e o custo, além de manter a mesma coisa de sempre, é mais caro que a multa a ser paga para regularizar a situação.

O valor da multa eleitoral

Alguns vão dizer que assim não exerço minha cidadania. Sim, exerço pois a decisão de ir ou não escolher quem vai me representar deveria ser minha e não uma obrigatoriedade que já acaba logo na entrada com esta tal cidadania. Depois, a reciclagem que acontece é devido a morte que tenta dar uma maozinha (mas também não faz milagre). Morre um ACM e vem o neto ocupar seu lugar. Sarney “foge” para o Amapá mas deixa seu clã a postos no Maranhão. E o que dizer de Collor; depois de uma “saída estratégica para a direita”, retorna as bancadas do senado para legislar sobre todos.

“Mas tem quem preste”. Sim, tem. Até o momento que chega lá. Depois, o sistema e a corrupção é tão forte e tão onipresente que aquele “que presta” se suja de lama até o último fio de cabelo ou simplesmente nada faz porque a máquina emperra. Cansei de ver durante mais de 20 anos gente boa se elegendo, se corrompendo ou se perdendo nas engrenagens da política brasileira. Na verdade, não na política, mas sim na politicagem.

MIlton Nascimento exprime em sua magnífica música Travessia todo este sentimento: “já não sonho, hoje faço, com meu braço o meu viver”. Acredito sim que vamos mudar em algum momento deste século quando deixaremos de ser os boçais que engolem as manobras de Maluf para se sustentar em cargos, os roubos sistemáticos aos cofres públicos, as maracutaias de dinheiro nas meias, cuecas, orifícios rugosos e onde mais puderem enfiá-lo. E que me desculpe Teotônio Vilela e tudo aquilo que fez pelo país, mas menestrel que fala a língua do povo não mais existem nesta terra. Resta simplesmente esperar que as leis da seleção natural façam sua parte. Enquanto isso, vou deixando de votar para não ter que escolher entre Tiririca, Romário ou Vagner Montes para me representar pois, nem mesmo no mais alto grau de insanidade, tipos como estes poderiam ser minha voz, onde quer que seja.

12 Comentários

Adicione o seu

  1. Comecei votando em branco, o próximo passo é fazer o mesmo, deixar de ir as urnas. Essa ultima eleição foi um verdadeiro circo. Em um país que não existe oposição, reina a corrupção.

  2. Janis Workman

    12/01/2011 — 21:57

    Muito interessante o texto…apesar de deixar de fora os grandes pilantras da atualidade. Nas últimas eleições anulei a maioria dos meus votos e sinceramente acho que a politica do Brasil cada vez anda mais pra tras. Se as coisas tiverem que mudar certamente não será pela vontade dos políticos.

  3. José Arthur Basaglia

    12/01/2011 — 12:05

    Olá Paulino, é isso aí mesmo. Quando chegam lá todos viram bandidos. É muito frustrante ser brasileiro. Já perdi a esperança de viver num país decente.

    A propósito, acho que somos parentes, pois minha mâe era Michelazzo e meu tio avô e padrinho de batismo tinha o mesmo nome que você.

    Um abraço

    Arthur

    • José, certamente é parente ;) Quando vieram para o Brasil, os “michelazzo’s” eram somente 3 que resultou em todas as famílias que hoje estão por aqui.

      Obrigado pelo comentário e volte sempre.

      Abraços

  4. Você não vota mais? – Eu já “não voto mais” desde 1986, quando percebi que o “caldo da panela do diabo” (sistema político) jamais terá gosto ou o sentido de uma democracia verdadeira.
    – Esta é a maior das Utopias (hoje)!

    Como você lembra bem aqui, o sistema (o dragão) se tornou tão forte (corrupção, lavagem, troca-troca, insensível, cego, bruto, etc.) que raríssimo é aquele que entra “LÁ”, no meio da “corja”, e não é contaminado, absorvido, engolido, devorado.

    Pra mim, independente de quem seja, qualquer pessoa que entra na política, ou busca/tenta inocentemente satisfazer o próprio ego (ilusão), ou é totalmente ignorante (intuição míope).

    Tem quem preste? – Sim, claro que sim! Mas o que pode um, dois ou dez, (-0,5%) em meio a centenas de “despreparados/malandros de gravata” (99,5%)???

    Você lembra bem, também, o quanto nossa memória é falha e ‘distraída’.
    Aqueles (as) mesmos que cagaram e fizeram tantas imundices recentemente, estão “outra vez” na “ativa”, cagando, sacaneando, e assaltando os cofres públicos! (Isso é o que? Pessoas “cabeças de bagres” dando o aval para estas múmias paralíticas!!!)

    Exercer a cidadania!!! – Às vezes ainda me espanto com inúmeras pessoas dizendo tal coisa. Pessoas que até se “acham” cultas e intelectuais, conscientes e despertas!

    Se assistissem ao filme Matrix I, mil vezes, jamais entenderão o que é dito “nas entrelinhas”!
    – Sempre verão apenas o óbvio!

    Só discordo do teu ponto de vista, quando diz: “Acredito sim, que vamos mudar em algum momento neste século, quando deixaremos de ser os boçais que engolem…”!
    É questão de visão pessoal, naturalmente!

    Não, não acredito que haverá mudança coisa alguma! – Tal como é hoje, será daqui a 50, 100, 500 anos!

    Mas a questão não é termos sido, estarmos sendo ou se continuaremos a ser ‘boçais ou não’!

    – Mas, sim quando deixaremos de ser egoístas, ingênuos, distraídos, ignorantes.

    Se cada qual continuar pensando e cuidando apenas de si mesmo (padrão desta raça), apenas do e no “momento atual”, quando ocorrerão mudanças Reais e efetivas?
    – NUNCA!!!

    Suprimo a necessidade de fazer referências para tais coisas!

    O que nos resta, então?
    O que podemos fazer, executar, concluir?
    Que posturas devemos ter?
    Quais são as nossas esperanças?
    Etc!

    Sinceramente?
    Sugestão: “Conheça-te a ti mesmo”!

  5. Sérgio Rodrigues

    09/01/2011 — 10:40

    Cara, eu sou seu fã..Falou tudo!

  6. Guilherme Reis

    09/01/2011 — 11:08

    Um dos melhores textos que li sobre eleição nos últimos tempos. Muito bom mesmo. Adotarei, a partir de agora, a opção por não mais comparecer às urnas para “exercer meu direito de cidadão”. É realmente uma perda de tempo.

  7. Todo esse papo me fez lembrar do “brasileiro cordial e generoso” de Sérgio Buarque de Holanda. Os políticos (safados) brasileiros são c/ estrangeiros: conhecem o povo e fazem o que querem – “uma tradição brasileira que nunca deixou funcionar os verdadeiros partidos de oposição”.
    Na última eleição, infelizmente, anulei meus votos.
    Foda!

  8. Leonardo Marques

    09/01/2011 — 12:04

    Muito interessante o texto…apesar de deixar de fora os grandes pilantras da atualidade.
    Nas últimas eleições anulei a maioria dos meus votos e sinceramente acho que a politica do Brasil cada vez anda mais pra tras.
    Se as coisas tiverem que mudar certamente não será pela vontade dos políticos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − treze =