Casa nova em todos os sentidos

Categoria(s): Sem categoria

Muito bem, sem milongas e prefácios especiais, estou de casa nova em todos os sentidos. Blog novo, endereço do blog novo, ferramenta do blog nova e também… residência nova.

Isto mesmo, a partir de Janeiro de 2007 estou mudando minha residência para o Timor Leste, uma ilha no sudeste asiático onde irei trabalhar como Systems Development Specialist dentro do Ministério da Justiça do governo timorense desenvolvendo aplicações baseadas em AMP (Apache, MySQL e PHP) sob a tutela da UNDP – United Nations Development Program, um programa para países em desenvolvimento (como é o caso do Timor Leste).

“Uau! Que mudança!!!”
Pois é isso mesmo. Uma mudança enorme efetivamente pois trabalhar em um país como o Timor, do outro lado do mundo, acredito não ser nada fácil. Mas deixe-me explicar como isso ocorreu.

A gênesis da história

Em 13 de agosto deste ano recebi uma mensagem de uma lista de discussão que assino com o anúncio de uma vaga para desenvolvedor web no Timor Leste. Inicialmente achei estranho mas verificando a fonte da mesma e também o endereço de e-mail de origem, resolvi arriscar pois as chances de ser uma “verdade verdadeira” eram muito grandes. Assim, em resposta ao e-mail, escrevi candidatando-me à vaga pois o perfil desejado se encaixava perfeitamente dentro do que faço e seria, sem dúvidas, uma oportunidade ímpar na vida: desenvolver software livre em um país que está sendo reconstruído, trabalhar atrelado à um organismo internacional como a ONU, aprender sobre novas culturas e claro, a viagem do sonho de criança.

No mesmo dia recebo resposta ao e-mail solicitando meu curriculum para uma primeira análise e com alguns comentários já interessantes sobre onde eu estava me metendo (“Obrigado por mostrar interesse, é sempre complicado achar alguem que
encare esse tipo de desafio!”
). Sim, com certeza não é fácil achar pessoas que saem do conforto do Faustão para ir morar num país onde não existem orelhões. O mais interessante é que existem pessoas que não fazem idéia de onde fica o Timor e nem se dão ao trabalho de procurar saber (como se na web fosse impossível achar).

Neste momento começou a minha angústia. Esperar por respostas nesta época de mundo globalizado onde uma mensagem está do outro lado do planeta em segundos faz com que o monge mais sereno roa todas as unhas dos dedos. Mas o que fazer?

A primeira espera

Passam-se os dias e nada de retorno. “Será que não passei nem na primeira avaliação de curriculum?” Que vergonha pensava eu. No dia 29/08 resolvi enviar outro e-mail pois poderia o primeiro ter sido perdido no caminho (afinal são somente 20 mil km). Em resposta, recebo a primeiro positivo do selecionador que tinha recebido ao todo sete curricula (plural do latim, curriculum) e separado dois para uma segunda etapa (inclusive o meu). A parte ruim era que a segunda etapa que consistia de uma entrevista via telefone e que não dependeria deles. Por isso, teria que ficar aguardando mais um tempo dado por “indefinido”.

Bem, pelo menos a primeira parte estava concluída e com sucesso. Agora…

A segunda espera
Loooooooogaaaaaa, bem longa.
No dia 10/10 recebo a informação que a etapa seguinte tinha sido marcada: dia 17/10 ou seja, mais de dois meses após o primeiro contato. Esta etapa consistia em reunir o pessoal técnico que lá está para uma “sabatina” em português e inglês sobre questões relacionadas com tecnologia (redes, programação, desenvolvimento, ferramentas, etc) e também aspectos pessoais (o que gosta de fazer, hobbies, o que pensa sobre o voluntariado, o que pensa sobre o trabalho). Também seria avaliada a destreza (ou não) tanto em português quanto em inglês (requisitos básicos para a vaga).

A sensação era interessante: uma mistura de euforia com medo. Euforia porque se desse tudo certo, estaria com um passo no Timor. Já o medo era devido o safado do Murphy que teima em dar as caras nestes momentos. Além disso, a preocupação de se fazer entender e explanar tudo o que pensa sobre as coisas filosóficas e técnicas de uma forma compreensível.

Os dias vão se arrastando. Ia lendo o que podia sobre todos os pontos que não me recordava muito relacionados ao meu trabalho. Fazer código é fácil para quem está acostumado como eu mas o problema era explicar determinado conceito que, com o passar do tempo fica escondido dentro da cabeça, você usa mas não lembra como explicar. Então, uma sessão “remember” tomou conta nestes dias até a entrevista.

O divisor de águas
Chega o dia da entrevista. O telefone toca em casa por volta das 23:00 horas e vem aquele chiado de fundo com um “delay” de três segundos na ligação. O coração quase salta pela boca pois esperava o contato via Skype ou similar e não via telefone fixo. Do outro lado, oito pessoas felizes com a oportunidade de “espancar o gordinho” com perguntas de todos os tipos. Algumas pegadinhas (obrigado Daniela!!!) não poderiam ficar de fora do rol das dificuldades que também contava com a péssima qualidade de ligação e a preocupação com a parte em inglês que devido não ser meu idioma nativo e do outro lado o sotaque poderia atrapalhar juntamente com todos os outros poréns.

Depois de aproximadamente 50 minutos, todos se despedem e fica aquela sensação: “será que fui bem”? Neste momento já estava gostando da idéia de passar uma temporada fora do país e não gostaria muito de perder esta chance. Mas ainda tinha mais água para passar por debaixo da ponte…

“Você vem para o Timor”

Uma semana depois da entrevista chega um singelo e-mail do Ronaldo Quinteros (que sempre foi o contato neste processo) com a frase: “Olá Paulino, Parabéns, você vem pro Timor!” Neste momento “caiu a ficha” do que tinha feito. Confirmara a minha capacidade técnica passando por todas as adversidades e carimbara meu passaporte para uma temporada de dois anos na Ásia. Mais uma vez um turbilhão de sensações: medo, ansiedade, dúvida, alegria e claro, aquele verdadeiro “cagaço” que acompanha tudo aquilo que fazemos de efetivamente diferente em nossas vidas. Nada que já não conhecesse de outras oportunidades (quem lembra do “esqueceram de mim” na Noruega há dois anos???) mas agora seria diferente, bem diferente.

Começa a fase então da mudança. Envio de dezenas de documentos comprobatórios de cursos, palestras, eventos etc, documentos pessoais, tomar vacinas e assim por diante. Além disso, desfazer-me completamente da casa em João Pessoa pois não teria nexo mantê-la durante dois anos fechada e pagando aluguel.

Tudo pronto
Dia 10 de Janeiro embarco via São Paulo, Santiago, Auckland (Nova Zelândia), Sydney, Darwin (Austrália), chegando em Dili quatro dias depois. Na bagagem a esperança de poder fazer um ótimo trabalho para o governo timorês e aprender muito mais do que ensinar, principalmente sobre o que é efetivamente passar por adversidades. Além disso a saudade da garoa de São Paulo, das praias de João Pessoa, do asfalto das “BR’s” e principalmente daqueles que aqui ficam para o reencontro daqui 2 anos. Neste tempo este blog será o canal de communicação “oficial” do que lá se passa.

E agora José?
Bem, agora é postar aqui as trivialidades e preparativos para a viagem. Precisava “inaugurar” o blog com alguma mensagem e nada melhor do que explicar o porque da mudança. Nos próximos dias, dezenas de coisas interessantes serão colocadas aqui no “warm-up” da nova casa digital.

O que espero disso tudo? Bem, espero que goste do blog (acho que ficou bonitinho) e também do que vai achar aqui. No restante, deixe com Deus que ele resolve.