Saindo do Fidelidade e indo para o OnePass

Categoria(s): Pessoal, Viagens

Tam FidelidadePor questões históricas o sistema de aviação mundial usa milhas ao invés de quilômetros para calcular a distância entre dois aeroportos. Este mesmo padrão é usado pelas principais companhias de aviação mundial para o cálculo de pontos ou milhas que você recebe nos programas de fidelização das companhias, ou seja, uma milha voada, uma milha pontuada (com algumas excessões, claro).

Mas nem todas são assim e este post vem esclarecer e alertar aqueles viajantes que usam o programa Fidelidade da companhia TAM que infelizmente, por motivos próprios da mesma (e até aqui não esclarecidos), recebem menos pontos (ou milhas) do que poderiam receber em outras companhias.

Neste segundo semestre estou viajando com frequência para o exterior. Nos últimos 45 dias estive duas vezes nos Estados Unidos e dentro de mais alguns dias faço mais duas viagens; uma para Buenos Aires e outra para Nova York. Em todas elas procurei viajar por uma companhia da Star Alliance, um grupo de empresas mundial que cobre todos os continenentes com uma quantidade enorme de destinos. Esta procura foi devido ser um cliente do programa Fidelidade há bom tempo e tendo pontos no programa, queria acumular mais para mudar de categoria. Mas infelizmente hoje vejo que foi a pior escolha que fiz pois somente nas duas últimas viagens para os Estados Unidos, perdi a bagatela de aproximadamente seis mil milhas. Como pode isso? Explico.

O sistema Fidelidade Multiplus da TAM
Para quem não viaja o Fidelidade pode ser interessante pois acumula-se pontos até na padaria da esquina. Com uma enorme rede de parceiros e com cartão de crédito é quase possível ganhar pontos em qualquer compra que se faça. Entretanto para quem viaja e quer gerar pontos com estas viagens, certamente não é a melhor opção.

Ao contrário de outras companhias, a TAM usa uma tabela padrão para pontuar voos, independentemente de quantas milhas você voa. Assim, uma viagem entre São Paulo e San Francisco pontua a mesma coisa (5000 pontos) que uma viagem entre São Paulo e Miami, mesmo com uma diferença de 2480 milhas entre estas viagens. Pode-se argumentar que a distância entre SP e Miami é de somente 4080 milhas e se está recebendo 5000 ou 940 pontos a mais. Mas se descontar estes 940 das 2480 milhas que deveria receber por uma viagem a San Francisco, perde-se 1540 milhas/pontos. Pouco? Sim, é. Mas se for somando, vai dar uma grande diferença.

Porquê OnePass?
Particularmente prefiro as companhias da Star Alliance para voar pois é um grupo de grandes companhias (United, Continental, Lufthansa, Singapore, South Africa, etc) e certamente a aliança que mais tem voos de e para o Brasil. Partindo deste pressuposto, migrei para o programa OnePass da Continental que certamente me dará a possibilidade de obter muito mais milhas do que a TAM, exceto dentro do Brasil por uma questão também nebulosa: o acordo entre a TAM e a Continental NÃO PONTUA bônus de cartão (quando você está na categoria azul ou vermelha) e com algumas companhias, o número de milhas é idêntido ou menor que da própria TAM.

O programa de milhagem da Continental/United (que mudará de nome a partir de 01/01/2012 para MileagePlus) é, para mim, a melhor opção por diversos fatores. O primeiro deles é a maior pontuação em voos para os Estados Unidos que o Fidelidade. Como dito, poderia ter obtido 2480 milhas a mais se tivesse usado o mesmo.

Segundo motivo: os acordos da Continental/United com outras companhias aéreas que não fazem parte da Star Alliance. Exemplo clássico é a Emirates onde perdi 14 mil milhas em maio deste ano porque não tinha o que fazer com elas. Voando com a Emirates mas usando o programa da Continental, estas milhas estariam dentro do pacote do OnePass. O mesmo é válido para a Copa Airlines que voa para o Panamá e América Central. As milhas voadas com eles, vão para o OnePass também.

Terceiro motivo: menos milhas para o mesmo status. Na TAM você precisa de 48 mil pontos VOADOS para chegar a ser cliente vermelho, ou seja, ter o status Gold da StarAlliance e poder usar as salas VIP ao redor do mundo. No OnePass você precisa de 50 mil milhas voadas, sendo mais fácil obtê-las pois a conta é em milhas voadas e não em pontos padrão por destino.

Quarto motivo: posso emitir passagens com as milhas OnePass em outras companhias também. Não importa se estou voando de Emirates ou de Continental. A passagem sai :)

Resultado
Estou somente aguardando o upgrade para a categoria vermelha da TAM para deixá-lo de usar para voos internacionais e passar a usar somente o OnePass. Depois disso, só mesmo viajando dentro do país que usarei-o e assim mesmo, com menos frequência que imagino já que prefiro a Gol para voar. Eles ainda mantém milhas como opção de recebimento, pontua-se em conexões e precisa-se menos milhas para viajar pelo Brasil e América do Sul.

Como programas de milhagem foram feitos para premiar viajantes que são fiéis a determinada companhia, a TAM peca pois o seu programa, mesmo com o pomposo nome de Fidelidade, perde um cliente por motivos óbvios como os listados aqui.