O Passo Pizza… e cadê o Jazz?

Categoria(s): Gastronomia, Opinião

Quem aparece aqui no blog com certa frequência sabe que realmente gosto de jazz e sempre que estou na estrada, procuro algum lugar onde possa conhecer algumas músicas novas ou ainda recordar as já conhecidas.

Em janeiro passado estive em Ouro Preto, MG fazendo uma visita para amigos. Eles, sabendo de meu gosto pela música de raiz norte-americana, comentaram que na cidade tem um restaurante chamado O Passo Pizza Jazz onde poderia não só apreciar o jazz como também comer uma boa pizza. Claro que não dei trela para a história da pizza, afinal falar isso para um paulistano é a mesma coisa que afirmar que gaúcho não faz churrasco decente. Já o jazz….

Gostei do lugar. O restaurante fica num casarão antigo daqueles que só encontramos nas bandas de minas. Várias mesas bem arrumadas e um enorme terraço para agradar os amantes do fumacê que ali podem tomar um chopp da casa vendo a lua. Se não faz fumaça, não tem problema, o restaurante tem mais algumas dezenas de mesas de todos os tamanhos em áreas internas.

O atendimento é eficiente feito por um grupo de garçons que se esforça para atender da melhor forma possível os clientes sem aquela coisa de ficar feito mosca em cima das mesas (existe algo mais chato que isso?). E para minha surpresa, a pizza também é muito boa (claro que não é uma paulistana mas vá lá, mineiro sabe fazer pão de queijo). Enorme, fininha e assada no ponto. Só pecou pelo pouco recheio pois esperava mais de um lugar onde queijo é como água.

Mas se tudo estava bom, que aconteceu?

Bem, me disseram que o lugar tinha jazz e para isso lá fui. Na chegada até estava tocando alguns Sinatras (muito bom!), Sammy Davis Jr. e outras das antigas. Entretanto, meia hora depois me aparece um moleque e começa com o bate-estaca num volume que precisei chamar um dos garçons e pedir para diminuir o som, afinal não estávamos numa boate mas sim num restaurante. Da mesma forma, percebi algumas pessoas de mesma faixa etária constrangidos em estar num lugar requintado com uma barulheira daquelas. Assim, de jazz, nem vi os primeiros acordes. Uma lástima!

O resumo da ópera (ou do jazz, como queira) é o seguinte: se você gosta de um lugar tranquilo, com boa música e quer comer uma boa pizza em Ouro Preto, ligue antes para o restaurante e pergunte se realmente vai ter jazz ou vai ter o moleque surdo pois, se como eu, você também gosta de sossego na hora da comida, pode ficar chateado.

O contratempo não tirou o prazer de ter estado lá mas poderia ter sido completo se não tivesse a obrigação do bate-estaca na orelha em pleno jantar. Mas fica a lição, da próxima vez, um telefone resolve :)