Interior que revigora

Vez ou outra tenho que ir ao interior de São Paulo. Ao contrário da maioria dos paulistanos que acha o interior aquela coisa “chucra”, eu adoro (já contei isso aqui anteriormente). Gosto de ver a terra, de ver as estradas, de conhecer novas pessoas simples. Gosto da tranquilidade de lugares onde o temp (ou o passar dele) não importa muito. E o mais interessante é que sempre regressando do interior, volta minha vontade de escrever, consigo destrancar várias coisas que ficam na cabeça durante os dias da frenética vida cosmopolita e os dedos parece que coçam. Não entendo porque disso mas é fato (tanto que estou escrevendo hoje).

Nesta semana estive em Nova Europa, uma pequenina cidade de 10 mil habitantes próxima de Araraquara e Matão para tratar de negócios que minha empresa estará fazendo com a prefeitura de lá. Mais que o negócio em si, valeu o papo com o diretor de TI do município, Sr. Gilnei e a coca-cola tomada em um bar defronte a praça da cidade num final de tarde. Ver a vida passar sem muita pressa e sem muita correria é uma dádiva para poucos. Ele me explicou do que o município vive, das obras do telecentro que está prestes a ser inaugurado, da colheita da cana e da laranja na região. E a cada dezena de minutos, passava um conhecido que cumprimentava; o carteiro, a senhora da esquina, o dono do bar, uma outra pessoa qualquer. Coisa de interior mesmo.

De volta para casa, são momentos assim que descansam a alma. Para mim, só um defeito; não existe mar próximo, coisa que tanto gosto. Então quem sabe em minhas andanças não acho uma cidadezinha assim a beira-mar para passar o resto da vida? Alguém sugere alguma?

2 Comentários

Adicione o seu

  1. Thomás Sieczkowski

    30/07/2009 — 10:58

    Fala Paulino. Também gosto da tranqualidade do interior.. Aqui no Sul tem algumas cidadezinhas litorâneas como Imbé, Tramandaí… que são relativamente simples.. E tu já encontra wi-fi em alguns cantos.. Hehe! abraço

  2. Carol Wieser

    06/07/2009 — 18:51

    Sabe que eu também gosto de um interiorzão… bom fui criada em um, e toda vez que vou visitar meus pais lá nos cafundós de Santa Catarina, volto com uma vontade de fazer as malas e me mandar pra lá de novo…

    E é exatamente assim mesmo como você relatou, todo mundo conhece todo mundo, mesmo que não se conheçam, pelo simples fato de ver de vista frequentemente as pessoas acabam se cumprimentando.

    Uma pena que Joaçaba não tenha mar… pois senão indicaria ela pra você morar. Mas tem um lugar bem bacana no litoral de Santa Catarina que você iria gostar, Bombinhas!! Uma graça de lugar, com águas limpidas, e com uma grande vantagem… Florianópolis por perto!

    ;-)

    Beijos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + 4 =