Frustração na Bahia

Igreja de São Francisco - Salvador - BAPassei entre Natal e ano-novo na casa de amigos em Salvador. Acredite, não conhecia a cidade mesmo já estando nela umas quatro vezes. Infelizmente, como a correria é grande, pouco (ou nada) tinha visto.

Muito bem. Gostei do que vi. Andei pelo Pelourinho (que está feio, descascando e pouco cuidado), pelo centro histórico, tomei sorvete na tradicional sorveteria da Ribeira (diga-se de passagem, sensacional) e ainda deu para dar uma molhada de buzanfa na praia. Mas claro, alguma coisa tinha que dar errado… e deu.

Trata-se da pífia e sem-graça ida à Igreja e Convento São Franscisco. Não que o local seja feio, ao contrário. É lindo, bem harmonioso e de uma arquitetura soberba. O sem graça fica por conta de uma daquelas estupidez que ninguém sabe de onde vem mas que todo mundo presencia, calado. Falo da proibição de tirar fotos dentro da igreja.

Já andei por museus de tudo que é canto do mundo. Gosto deles. De uma forma ou de outra, a história do mundo me fascina. Mas em nenhum vi uma estupidez como a da igreja baiana que não permite tirar fotos de nada mas ao mesmo tempo permite a filmagem, mesmo que seja com luz das câmeras. Vão dizer alguns que é por causa do flash. Ok, ok, o museu do Louvre em Paris não permite o uso de flash ou qualquer outro tipo de iluminação artificial mas permite as fotos. O mesmo ocorre em todos os museus da Ilha dos Museus em Berlin, no Museu do Cairo no Egito e até mesmo na Biblioteca do Congresso Nacional em Washington D.C. Então, porque raios não posso na igreja baiana?

Certo que não iria obter uma resposta convincente, perguntei para a moça da recepção que me viu com o trabuco na mão (minha Canon 40D) o porque da proibição e ela simplesmente me diz: não pode por causa do ouro das paredes. Conversa fiada, retruquei. A máscara de Tutancamón, toda de ouro, pode ser fotografada. O buda de ouro do Palácio do Rei da Tailândia, idem. Então, porque não lá? Logo depois descobri o porque (pelo menos em minha visão): ao lado da entrada existe um balcão que vende fotos, postais e souvernis da igreja para aqueles que não puderam tirar fotos pela módica quantia inicial de R$ 5,00. Ok, os franciscanos precisam de grana para manter o treco em pé, alguns podem dizer. Outra conversa fiada. Cobraram R$ 3,00 de entrada (sem direito a nenhuma devolução) e estavam lá vários pedreiros trabalhando na restauração interna usando o dinheiro do erário para a obra (financiado pelo BNDES e outras empresas/associações). Uma vergonha!

Se não bastasse, conversando com meu amigo que me acompanhava, ele chegou a mesma conclusão que a minha baseado no que viu e principalmente em seu conhecimento de um doutor em Geologia que conhecer minerais (inclusive o ouro) como poucos no país. Poderiam usar de outros artifícios para arrecadação e não proibir uma mísera fotografia de um lugar que pertence ao patrimônio de todos os brasileiros.

Frustrante!

7 Comentários

Adicione o seu

  1. José Roberto

    07/09/2010 — 13:00

    Hoje fui proibido de fotografar no Mercado das Flores do CEAGESP!! Dá para imaginar?
    Parece que os problemas começam quando voce usa uma câmera “profissional”: uma SLR ou mesmo algum modelo maiorzinho. Teleobjetivas, nem pensar. E se tentar usar um tripé vai ser conduzido à Administração para ser “interrogado”. Mas o pessoal ao meu redor fotografava tudo, com cameras compactas, sem restrições. Na igreja da R. Frei Caneca fui intimado a guardar a camera e conduzido até a saida. Nem o exterior da igreja me permitiram fotografar. E é uma igreja cujo único valor é ser antiga, nada tem de artístico.

    • Pois é José, é só nos ver com uma máquina um pouco melhor que tem medo. Também pudera, com a quantidade de “sujeira” que existe por ai :)

      Abraços e obrigado pela visita.

  2. (Risos)Bem Vindo ao Brasil!! Já deves ter ouvido falar na Lei de Gerson??
    Todo mundo tem que tirar vantagem.

    Brasil dos Brasileiros….

  3. Tiago Bernardes

    04/01/2010 — 21:10

    Isso é um absurdo, realmente vergonhoso, já fui barrado aqui em Recife também, com a mesma história. #tenso.

  4. Creio que a tal “moça” nem saiba o porque disso. Mas não poder fotografar é muito comum pelo Brasil. Lembro-me que o Itamaraty não permite fotografar algumas exposições, assim como o Congresso Nacional, o CIC – Floripa, e muitos outros lugares. E duvido que a proibição seja apenas para vender fotos e arrecadar verba dessa forma. Pra vc ter idéia, duvido que alguém consiga tirar fotos dentro do hipermerado EXTRA sem ser perturbado em poucos minutos, com argumentos muito menos convincentes.

  5. Bruno PorKaria

    04/01/2010 — 21:09

    Existe essa restrição na igreja da pampulha em BH. A igreja é minuscula, não vi nada de ouro la, é apenas um “salão”..

    Ainda bem que o mais bonito, nós podemos tirar foto, que é a beleza das “curvas de niemeyer” http://twitpic.com/uiji4

    Essa restrição deve ser comum em igrejas antigas, pois em Diamantina-MG, na igreja da xica da silva também é proibido, e a desculpa que deram para a minha namorada foi muito engraçada “não pode, se não mostra o caminho para os ladrões” hahaha a igreja é cheia de ouro.

  6. Júlio Barros

    04/01/2010 — 20:13

    Michelazzo, na próxima vez que você for tirar férias, venhem aqui para o Recife, gastar aquelas milhas aérias! Tenho certeza que ninguém vai te proibir de fotografar a praia de Boa Viagem e o Marco Zero.

    Abraços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + 2 =