Tag: smooth jazz

Kim Waters

Kim Waters - One Special MomentNão é segredo nenhum que adoro jazz e shooth jazz. Aqui mesmo no blog já postei vários comentários sobre o ritmo e artistas desta área, alguns deles soberbos como Michael Lington e Diana Krall.

Esta semana encontrei outro que pode entrar no rol dos “melhores do Paulino”. Chama-se Kim Waters. Um camarada nascido em Maryland que está na estrada musical desde 1989 e que faz um smooth jazz muito parecido com Najee (mas acho melhor porque Najee descambou nos últimos anos). Uma vergonha não ter conhecido antes.

O CD que encontrei chama-se One Special Moment e estou me deliciando com ele. Agora, achar mais alguns, o que não é difícil no “shopping internet”.

Se você também gosta de um sax bem tocado, procure também. Com certeza irá gostar.

Smooth Jazz dot com

A melhor rádio de Smooth Jazz da web. http://www.smoothjazz.com

Angelina

Tem gente que nasce iluminada. Vejo muitas vezes as diabices de Ronaldinho e de Daiane e não acredito como uma pessoa é capaz de tais coisas. Da mesma forma, vejo alguns astros de hollywood e me cai o queixo vendo a capacidade de interpretação. Até mesmo na política volta e meia me pego abestado com a cara de pau de alguns. Claro, estes também são iluminados porque para ter a cara de pau de mentir descaradamente e nem ficar vermelho, só com um holofote no rabo.

Ultimamente ando trabalhando tanto que nem para escrever tenho tempo (ou seria inspiração? Acho que ambos). E com isso, fico só dedilhando código e ouvindo música do shopping internet. E nesta semana achei outro destes “iluminados”. Chama-se Michael Lington.

O cara é dinamarquês mas cidadão americano. No meio da baderna, tem uma paixão pelo Brasil, já tocou coisas de Jobim e é chapa do neto, Daniel Jobim. No último trabalho teve uma “ajudinha” de Torcuato Mariano (ele mesmo) e o produtor dos produtores: Greg Phillinganes (que já fez Quincy Jones, Michael Jackson, Chris Botti entre outros).

Acredite, o sax do branquelo é coisa de deixar qualquer um torto. Vale a pena cada segundo de música, mesmo aquelas mais “batidas”. Confesso que não é meu forte mas dentre todas, uma me chamou a atenção: Angelina. Algo para parar e pensar na vida.

Finalmente, o cara, mesmo com tudo isso e tocando sax, ainda tem uma fábrica de cigarros. Dá para acreditar num saxofonista fumante inveterado? Não? Então ouça abaixo.

PS: Será que a Angelina é a Jolie? Vai saber…

O site oficial dele é www.michaellington.com

Inspiradora

Para a madrugada de hard work, uma inspiradora:

After The Rain – Jim Adkins

O cara

Ken NavarroQuem lê com certa regularidade o blog sabe que gosto de boa música. Smooth Jazz, Fusion Jazz e Jazz :-)

Aí ontem, lendo o blog e um cara na Indonésia, vi a notícia de um site interessante recém-lançado: chama-se SoundUnwound, uma ferramenta da Amazon com o site IMDB que faz algo muito legal: esmirilha a vida dos artistas trazendo todos os seus álbuns, biografias, conexão com outros artistas semelheantes, shows, etc, etc, etc. Uma verdadeira jóia para quem quer procurar saber tudo sobre música ou, como eu, encontrar novas.

Numa primeira busca que fiz, estava à caça de algo novo do Peter White. Não deu resultado; tudo o que ele já gravou eu tenho. Mas em compensação encontrei outro tão bom quanto ele: Ken Navarro; um gitarrista nascido em Indiana, EUA que vai pelas mesmas veredas do White; gostoso de se ouvir, tranquilo e muito feliz nas melodias acompanhadas vezes por piano, vezes por baterias, vezes por sax (que aí fica de arrasar).

Então, toca procurar o cara né. No SoundUnwound pega-se a discografia e no “shopping Internet”, os discos. O resultado: uma sexta-feira totalmente dedicada ao Ken em meu iTunes.

Ouça também e aprecie. Clique aqui para ouvir as músicas ou aqui para conhecer o site do cara.

O fino do Jazz moderno

Acoustic AlchemyMinhas excursões pelo mundo musical tem me dado bons frutos. Depois de Chris Botti, encontrei um novo grupo de jazz moderno que está há dias tocando em meu MP3 player. Chama-se Acoustic Alchemy, uma banda anglo-americana com mais de 20 anos de estrada e um som fino, bonito e que é capaz de agradar desde o mais punk até o mais eclético ouvinte.

Em seu último álbum, American English (março/2005) o grupo repassa 20 anos de carreira já reconhecida pela qualidade musical e composições maravilhosas cheias de sax, guitarras, trompetes e outros instrumentos que fazem a alma do grupo e do jazz em geral.

Vale a pena conhecer.